Translate

24/01/2017

Resenha: O Duque e Eu




Título: O Duque e Eu

Série: Os Bridgertons (Livro 1)

Autor (a): Julia Quinn

Tradutora: Cássia Zanon

Editora: Arqueiro

Páginas: 288

Ano: 2013

Onde comprar: SaraivaLojas Americanas e Submarino 


Sinopse:  "Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas.
Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível.
É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga.
A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
 Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida."




"O Duque e Eu" é o primeiro livro de uma série com 9 livros que narram as aventuras da família Bridgerton. Sendo uma família grande, com 8 filhos, a série possui um livro para cada um. Seguindo uma ordem alfabética de nomes graças aos seus pais excêntricos e apaixonados, são eles:
Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth. É importante ler os livros na ordem para evitar spoilers, pois os irmãos tendem a aparecer na história um dos outros. Neste primeiro volume conhecemos a história de Daphne, a irmã mais velha entre as moças da casa, e também a rotina dessa família que vive com o amor de uma mãe cuidadosa.  

Imagine-se no ano de 1792, na alta sociedade londrina, na época dos grandes bailes, vestidões, mães casamenteiras, e reuniões que ditam e definem o comportamento populacional. Pois bem, esse é o cenário que os romances de época possuem de melhor para criar uma história doce e bem-humorada, capaz de emocionar e tocar o coração do leitor.

"Muitas mulheres já foram arruinadas por um único beijo.
           Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown, 14 de maio de 1813"

Daphne se encontra na idade de casar, indo de baile em baile embora ainda guarde a esperança de se casar por amor. A questão é, além de ter uma beleza "normal", nada que a faça chamar atenção, segundo os padrões ditados na época, ela tem um comportamento que amedronta seus pretendentes, o que faz dela uma boa amiga, mas não uma moça que inspira duelos ou poesias. Destaca-se por sua personalidade, pois diferente das outras moças da sua idade ela conviveu tempo suficiente com seus irmãos mais velhos para saber ser uma boa ouvinte (e a dar um belo gancho de direita), além de evitar conversas desnecessárias, o que faz dela uma moça forte, alegre e, como ela mesma já ouviu de diversos rapazes, diferente de outras da época. E exatamente por isso, depois de dois anos do seu debute e de algumas propostas de casamento rejeitadas, ela não encontrou seu futuro esposo. 


“- No que diz respeito a você, meus padrões de beleza são os únicos que importam a partir de agora.”

Quando Simon, o duque de Hastings e grande amigo de Anthony retorna para Londres (depois de vários anos viajando pelo mundo) se vê em busca de uma forma de fugir do passado, e também de um futuro indesejado, ele encontra em Daphne a solução para os seus problemas. Resolvendo ajuda-lá, e se ajudar também,  eles estabelecem um cortejo de aparências e se veem numa amizade para que Simon fuja de cortes e Daphne se torne ainda mais desejada, mas rapidamente se envolvem em algo a mais.

“(...) – Antes de conhecer você, estava vivo apenas pela metade.”

Com muito bom humor, temos cenas marcantes e divertidas, romance e drama, e tudo gira em volta do enlace familiar. Daphne é uma protagonista forte, que sabe o que quer mas com doçura, inocência latente, e obstinação. Simon é encantador, mas repleto de traumas e decepções familiares. A melhor parte é ver como Daphne o cura, como eles se apaixonam e se encantam um pelo outro. Como mesmo com todos os erros que eles cometem, conseguem construir um grande relacionamento. 

"Daphne se abaixou e ajeitou as tulipas, roçando o braço de leve na frente do casaco dele. Ela imediatamente deu um salto para trás, surpresa com a quentura e a força dele. Meu Deus, se ela podia sentir tudo aquilo através da camisa e do casaco, como ele deveria ser... Daphne ficou vermelha, muito vermelha. – Eu daria minha fortuna por seus pensamentos – disse Simon, erguendo as sobrancelhas com curiosidade. "





Ler sobre isso, a respeito das dores, perdas, triunfos e amores desses personagens é incrivelmente natural. É um pouco estranho considerando o cenário comum e o romance previsível, mas quando nos deparamos com um enredo diferente disso é impossível não se surpreender. Julia Quinn tem uma narrativa leve, fluida, sensual na medida certa, mas com um nível de diversão que me fazia dar risada sozinha. Além disso, a leitura não é concentrada apenas no casal, nos fazendo ter muito da família e um segredo que é doce descobrir. Eu só consigo pensar, "Eu deveria ter lido esse livro antes!" É um livro com uma gramática muito boa, as páginas são amarelas, a letra é de um ótimo tamanho e as capas são lindas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário: