Translate

21/08/2015

Confissões de alguém que não se conhece - II



Quando você fica muito tempo sem escrever, acaba perdendo a manha de como começar um texto, um paragrafo qualquer. Realmente é estranho, escrever e saber que alguém vai ler (ou não) uma coisa que veio da sua mente. Porque todos nós pensamos coisas diferentes, todos nós nascemos e somos autores e escritores, mas alguns escolhem abandonar isso dentro de si, e outros não. Basta coragem pra tentar.

 E hoje eu mal dormi (e estou falando isso mesmo que ninguém queira saber). Passei a noite naquele estado de dormindo-porém-um-tanto-acordada e nossa odeio isso com todas as forças. Prefiro passar a noite totalmente acordada do que acordada sem estar lúcida. E nessa noite tive uma conversa com meu subconsciente. Na qual "falamos" dos pôrques em vida e em morte. Madrugadas são ótimas para questionar coisas inquestionáveis. E pensando assim, cheguei a conclusão de que o medo é a resposta pra tudo na vida.

  Por que sentimos medo? Com tantos sentimentos, o medo é o mais escolhido entre a maioria das pessoas, mesmo que nem todos assumam isso. O medo é o argumento perfeito. Costumo dizer que "tudo que é diferente assusta", porque é verdade. Se conhecemos algo não temos medo daquilo. Você não teria medo de um espírito comedor de queijo mussarela, se soubesse que ele só está na sua cozinha pra admirar seu queijo, não pra levar sua alma sei lá onde as almas arrastadas vão. Tudo é questão de entender., e por isso comecei a falar dos "porquê".

 Há algum tempo atrás, estive em um lugar do qual não conseguia sair, em uma escuridão sem fim, um lugar horrível em que eu chorava e ninguém ouvia. Mas eu a ouvia todos os dias, uma voz que sussurrava ao pé do meu ouvido, falava calmo e ironicamente, como se soubesse que mesmo que dissesse "oi" eu me apavoraria. E estava certa, certíssima, porque a única coisa que me mantinha ali era o medo, o medo de tudo, até de tentar me livrar daquilo. Tudo começou de uma forma tão sem importância, em um dia qualquer e se tornou um túnel sem saída.

 Sou obrigada a admitir que não sei como entrei mas sei porque fiquei lá. Porque a voz queria que eu me sentisse fraca o suficiente para conseguir sair e eu achava mesmo que era, jurava por Deus que fosse. E assim como você e outra pessoa qualquer, temos mania de acreditar no que as pessoas dizem. E eu acreditei mesmo, acreditei que morreria ali da pior forma possível. Mas eu não sabia que já estava morta e o sofrimento era o que me deixava morrer a cada segundo mais, mantendo apenas meu corpo como memória. Ah, o sofrimento! O sofrimento é a pior forma possível de aceitar uma coisa. Sofremos para ter que nos colocar em algum lugar e geralmente quando algo de ruim acontece o sofrimento parece a saída mais fácil a chegar, mas é o pior para sair. Mal vemos que a porta da esperança está localizada um pouco mais atrás e vale a pena se arrastar por um tempo até conseguir alcança-la. É um labirinto sem saída, a vida e a morte. A morte em vida, quando você não vive, você sobrevive, porque seus lindos pulmões funcionam por vontade própria e graças aos céus seu coração também. E seu estomago mais cedo ou mais tarde faz você comer e beber. E só por isso você está vivo. Pior coisa.

 Pessoas e suas manias de achar que o labirinto é uma fase. Fase do que????. A vida é simples, você vive, aproveita o que da, morre e acabou. Ou não? Não, né?! O que você acredita que vem depois é o que te mantem vivo. As pessoas não tem esperança porque acham legal, elas acreditam na vida infinita porque é melhor pensar que há algo depois, do que se manter no labirinto. E realmente é.

 Sua vida não é vídeo game, não é recarregável. E eu sai do meu labirinto depois de perceber isso. Depois de dizer para "aquela voz" que o meu medo de errar é menor do que a minha vontade de tentar. Porque a vida é isso, é um erro sem conserto, é um tiro no escuro. É um jogo sem instruções. E só sai bem desse jogo tem tenta a jogada.
 Não fique esquecido no seu labirinto imaginário, grite para você mesmo todos os dias, que sua alma está bem viva, independente de amanhã, de você não estar mais.

E era só isso mesmo. Uma boa tarde a todos.


Vivendo á procura de viver por algo.

Confissões de alguém que não se conhece - parte 2.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário: