Translate

28/05/2015

Confissões de alguém que não se conhece




 É estranho quando começamos a ter noção de que nunca teremos um castelo como nas histórias que tanto ouvimos.É mais estranho ainda saber que teremos que estudar e trabalhar muito pra ter uma casinha qualquer. Chega a ser confuso pensar que não temos controle do nosso futuro. E não venha com esse papo de "ah, você colhe o que planta", porque isso é óbvio, mas não é disso que eu estou falando. Você pode até plantar, mas não sabe o que vai acontecer até estar tudo perfeito para a colheira. As sementes podem não germinar, uma seca horrível pode estragar tudo ou até mesmo um temporal daqueles! Você nunca vai saber se não plantar, mas não pode ter certeza absoluta de como vai colher.

 A vida tem sido meio assim, meio chove-não-molha. Sempre incerta e aterrorizante, meio desconectada do essencial, se é que existe o essencial. Na verdade a parte ruim mesmo, a que mais amedronta, somos nós mesmos, quando não podemos fugir de si. É sufocante correr e não ter pra onde, querer gritar e não ter voz. Estar em meio há várias pessoas e mesmo assim estar sozinho. Não existe sensação pior de se sentir envolvido de tristeza e não conseguir pensar em nada que valha a pena na vida. É cansativo criar cenários imaginários em dimensões que o mundo não pode te ajudar. É difícil estar vivo mas não estar vivendo.

As metas e sonhos se apagam quando você vê toda sua força e coragem indo ralo abaixo, devido aos tapas na cara que a vida nos da de presente. Como se encontrar quando você não sabe aonde estava antes? Como voltar pra um lugar aonde nunca esteve? Como se localizar em uma área perdida no mapa? São atitudes inúteis pra quem nunca foi parte de nada, nunca pertenceu a nenhum grupo, por mais que tenha tentado. Antidepressivos não vão nutrir um sentimento que não existe.

  Vivendo á procura de viver por algo.



Confissões de alguém que não se conhece. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário: