Translate

05/08/2017

30 marcas de cosméticos nacionais que não realizam testes em animais

Nenhum comentário:


Atualmente mais de 500 mil animais são utilizados no mundo todo em testes. Surpreendentemente, marcas de cosméticos muito conhecidas e de grande credibilidade usam animais - coelhos, ratos, gatos, macacos e até cachorros - para a realização de testes químicos, antes de lançarem seus produtos no mercado.

Existem alternativas para testar cosméticos, como simulação computadorizada, realidade virtual e até tecnologia de pele 3D (utilizada por exemplo pela O Boticário) que imita a pele humana. Algumas empresas já optaram pela tecnologia e entraram para a lista de marcas amigas dos animais.


Como a lista de marcas nacionais é muito extensa, selecionamos apenas as marcas mais conhecidas e utilizadas. Para consultar sobre determinada marca ou ver a lista completa, acesse o site do PEA (Projeto Esperança Animal) clicando aqui.








É interessante pesquisarmos antes de consumirmos produtos de marcas que não sabemos se estão na lista. Algumas empresas utilizam as próprias embalagens para justificar que não praticam os testes. É válido dar uma olhada.

Nós do Dona Lua somos contra maus tratos e assinamos a petição que a The Body Shop criou para acabar de vez com os testes nos bichinhos. Assine também clicando aqui e salve milhões de animais da morte. 

Faremos outro post falando sobre as marcas que realizam testes em animais. Fiquem de olho! Bjss





29/07/2017

Resenha: Corte de Espinhos e Rosas - Sarah J. Maas

Nenhum comentário:


Título: Corte de Espinhos e Rosas 
Série: Corte e Espinhos e Rosas (Livro 1)
Autor(a): Sarah J. Maas
Tradutor(a): Mariana Kohnert
Editora: Galera Record
Páginas: 404 
Ano de lançamento: 2015

Onde comprar: SaraivaSubmarino e Lojas Americanas

Sinopse:  "Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas , a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... Ou Tamlin e seu povo estarão condenados."



Corte de Espinhos e Rosas é narrado em primeira pessoa por Feyre, a caçula de um lar falido graças à inadimplência do pai, que mora somente com ele e suas duas irmãs, desde que perdeu sua mãe ainda criança. Enquanto seu pai lamenta por sua condição miserável e as irmãs só sabem reclamar e desejar o luxo de volta, Feyre se encontra desesperada para sobreviver e caça todos os dias na floresta garantindo comida na mesa.

O reino feérico é temido e ao mesmo tempo odiado pelo reino humano. Uma muralha invisível foi erguida logo após a guerra que libertou os humanos da escravidão, um tratado foi firmado, e os povos se separaram, fazendo assim dois mundos coexistirem. Mas é quando Feyre encontra um lobo na floresta, e desconfiando que possa ser um feérico o mata (graças ao ódio que construiu durante os anos) que o tratado vem à tona e as consequências podem ser estrondosas.

"Houve um tempo - há muito tempo, e durante milênios antes disso - em que éramos escravos dos senhores Grão-Feéricos. Houve um tempo em que construímos para eles gloriosas e extensas civilizações, com nosso sangue e suor, construímos templos para os deuses selvagens. Houve um tempo em que nos rebelamos, em todas as nossas terras e territórios. A Guerra fora tão sangrenta, tão destrutiva, que foi preciso que seis rainhas mortais oferecessem um Tratado para que o massacre terminasse dos dois lados e para que a muralha fosse construída: o Norte do nosso mundo foi concedido aos Grão-Feéricos e aos feéricos, que levaram sua magia com eles; o Sul ficou para nós, mortais covardes, eternamente forçados a tirar o sustento da terra."


Uma vida deve ser paga por outra. Um ser bestial bate à sua porta e clama pela vida que Feyre tirou. A jovem sabe que seu destino está selado e não terá como fugir. Como retribuição pelo sangue derramado, a fera lhe dá duas opções: morrer ou passar para o outro lado da muralha, onde viverá o resto de seus dias em Prythian, na Corte Primaveril. 

09/04/2017

Lições que aprendi com Gossip Girl

Nenhum comentário:

 



Gossip Girl é uma série norte-americana, inspirada nos livros de mesmo título da escritora Cecily Von Ziegesar. As 6 temporadas foram exibidas entre os anos 2007 e 2012, totalizando 121 episódios. No Brasil, a série foi exibida pelo canal Glitz e alguns anos depois, pelo SBT. atualmente é possível encontra-la na Netflix.

  A trama gira em torno de jovens (e agregados hehe) milionários de Manhattan-NY, que estão saindo da adolescência e aprendendo a enfrentar a vida adulta, tendo que lidar com fantasmas do passado que insistem em se misturar ao presente. além disso, por mais que tentem ser discretos, todos os seus passos e principalmente seus relacionamentos são escandalosamente expostos em um blog de autoria misteriosa.

  Como a série envolve muito romance, traições, grifes, festas e principalmente muito ganancia, geralmente é julgada como uma série fútil e sem conteúdo. eu, formada em 6 temporadas, resolvi listar algumas lições que aprendi assistindo Gossip Girl.


Alerta de Spoiler!


1. Não finja ser quem você não é. 



Pin for Later: Why Blair Waldorf Is the Queen Bee of GIFs  But listen up: under those headbands and venom, there's some real wisdom.



Logo na primeira temporada, a pequena Jenny, uma garota simples, pobre e desconhecida, tenta se enturmar no grupo das garotas mais faladas da cidade, o que não é tarefa fácil. com o desespero em ser aceita pelo grupo, a personagem mente para a família diversas vezes, perde a confiança dos pais e magoa as pessoas que a amam. humilhada e ainda sem ser aceita pelo grupo, a pequena Jenny chega a roubar, foge de casa, mora com uma semi-desconhecida, surta e chega a ser expulsa de Manhattan por Blair, na quarta temporada. 

Por mais que a loira tentasse agradar as "amigas", ela nunca foi suficiente para o grupo, muito menos para a elite de Manharttan. a única coisa que conseguiu foi se afastar das pessoas certas e se magoar cada vez mais. Estragou sua personalidade e não chegou a lugar nenhum.





2. O amor muda sim algumas pessoas.







Quem aí também ama Chuck Bass?

Chuck foi criado pelo pai, um investidor bem sucedido, porém desalmado. sem amor e apoio do pai, o bad boy leva uma vida luxuosa regada a drogas, prostitutas e escândalos até que um atrito o detêm: Blair Waldorf. Mesmo sendo apaixonado por Blair, ex namorada do seu melhor amigo, Chuck tem dificuldades de se relacionar com as pessoas a sua volta e parece sempre fazer escolhas erradas. entre muitas idas e vindas, o casal consegue enxergar que por mais que os problemas tentem separa-los, o amor prevalece (suspiros!). o mau caminho do Upper Eats Side demonstra ao longo das temporadas que o amor de Blair o mudou e para melhor.